Texto principal

TERMINADA MAIS UMA ÉPOCA DESPORTIVA, DESEJAMOS A TODOS ATLETAS E SEUS FAMILIARES UMAS BOAS E MERECIDAS FÉRIAS, DA NOSSA PARTE CONTINUAREMOS O TRABALHO PREPARANDO A NOVA ÉPOCA DE 2019/2020. BOAS FÉRIAS


quarta-feira, 30 de maio de 2018

FUTSAL (ACADEMIA) - ENTREVISTA COM FILIPA JOÃO



 A Academia de futsal é cada mais uma aposta ganha. Para terminarmos (por agora) a nossa análise sobre a  mesma, entrevistamos Filipa João, treinadora da equipa dos Traquinas.
Filipa João,  apresentou-se como uma mulher convicta e feliz por trabalhar neste projecto.

Vamos iniciar por apresentar a actual treinadora da equipa de Traquinas?

Chamo-me Filipa João e tenho vinte e oito anos e sou Bióloga de profissão.

Como se iniciou no Futsal?

A minha ligação na modalidade, começa ao acompanhar o meu pai, aos seus jogos quando era jogador de futsal. Depois estive cerca de seis sete anos na arbitragem da modalidade, a partir de dois mil e cinco. Nesse período descobri que não era a arbitragem o que mais me motivava no futsal. 
Procurei nessa fase, um escape para cumprir a paixão que tinha de praticar a modalidade. Por ter nessa altura, outros hobbies que não conseguia conciliar, com o futsal, acabei por abandonar a modalidade

Como chega a treinadora?

No último ano, conjuntamente com um grupo de pessoas iniciamos a secção de futsal no Clube Propaganda de Natação (CPN) de Ermesinde. 
Este ano, acabei por ser convidada – em boa hora – pelo Coordenador da Academia para integrar este novo projecto da Academia de futsal do Boavista Futebol Clube.

É actualmente a treinadora dos Traquinas. Como decorreu a época?

Correu bem. Os Traquinas foram vice campeões e como sabe os Petizes foram campeões.

Quantos atletas tem na equipa de Traquinas?

Actualmente e em competição temos quinze, mas durante toda a época foram aparecendo outros atletas que não puderam ser inscritos mas que estão a trabalhar conjuntamente connosco.

Quantos atletas estão inscritos na Academia?

Cerca de trinta. Quinze nos Traquinas e oito nos Petizes todos inscritos e os restantes que chegaram posteriormente.


Há pouco disse que não se revia na arbitragem. E revê-se como treinadora de jovens?

Tenho uma experiência de trabalhar com miúdos, nada tendo a ver com a modalidade e sempre gostei. Assim juntei duas coisas que é de gostar de lidar com miúdos com outra que gosto que é o futsal. Estou preenchida.

Falemos do futuro desportivo pessoal. Ambiciona treinar escalões mais altos?

Em primeiro lugar, continuar a minha formação aprendendo com a s pessoas com quem trabalho, que sabem muito mais que eu e com os que sabem tanto ou menos que eu. Todos temos a aprender uns com os outros. Depois terei que fazer a minha formação pessoal a nível de certificado para poder aspirar a esse tipo de voos.

Mas tenciona ascender a escalões superiores ?

É essa a minha pretensão.

A Academia do Boavista surpreendeu-a? Como verificou a aceitação dos pais numa formação competitiva dos filhos tão precocemente?

Vamos por partes.Todos sabemos que nas escolas e nos intervalos das aulas, todos os miúdos jogam à bola. Se formos aos recreios das escolas não há um único em que os miúdos não joguem à bola. Os pais não têm essa preocupação se os miúdos jogam ou não. Trazê-los para uma Academia onde continuam a sentir o prazer de jogar e aprendendo um pouco mais, na minha opinião só ajuda na formação de um atleta e até de um jovem que será no futuro um homem. Acho muito positivo a inscrição numa Academia.

Aconteceram algumas medidas de evolução no projecto da Academia do Boavista?


Mudou-se o lema que estava anteriormente implantado. O nosso lema é formar para ganhar. As pessoas ainda vêm isto como um excesso de competitividade, mas a formação não é só formação colectiva mas também a formação individual da pessoa com quem estamos a trabalhar.

Depreendo que concorda com a imposição competitiva para estas idades que a Associação do Porto assumiu?

Concordo de um ponto e não concordo de outro. Concordo que haja campeonatos oficiais para petizes e traquinas, não concordo que essas provas sejam vistos e chamados de encontros lúdicos. Se é uma competição é para ser levada a sério.

A quem aponta o dedo?

A competição pode e deve ter melhorias e é para isso que os clubes devem contribuir. Tudo deve ser levado mais a sério.

Dê exemplos…

Os árbitros devem saber as dimensões do campo, devem saber os tempos de jogos. As balizas utilizadas devem ser as regulamentadas. Se não se pode usar coletes, não se devem usar, etc… 
Os clubes sabem disso mas facilmente se aceitam estas faltas de regularidade. É por isso que os campeonatos são vistos como uma brincadeira por várias pessoas. 
O Boavista e outros clubes fazem um trabalho que eu quero acreditar que é sério. Temos que levar a prova tão a sério, como levamos os nossos treinos. Não aponto culpas ou A ou B ou C, mas acho que todos juntos podemos e deveremos mudar este aspecto. Quanto aos que nos acusam de provocar precocemente a competitividade entre os miúdos eu respondo que não precisamos de o fazer, porque os miúdos já são competitivos uns com os outros, por natureza.

O que tem que dizer uma treinadora aos miúdos que entram pela primeira vez numa Academia?

Estamos a falar de miúdos enre os quatro e os seis anos de idade, gostava que eles chegassem já ensinados, mas tal não acontece e esse não é o nosso papel. Na Academia, temos meninos e meninas e o que esperamos é que eles cheguem com as dificuldades e virtudes que têm nessas idades. Temos que trabalhar aproveitando o que têm de bom, fazendo deles atletas melhores, que reconheçam o emblema que envergam e que saibam que nós trabalhamos sempre para ganhar.

Pessoalmente esse trabalho de base, ajuda-a a sua formação como treinadora?

Obviamente que sim. A Academia, convidou esta época cinco pessoas jovens (sub 30) e que não tenham formação certificada a nível da modalidade, para começarmos do princípio assumido uma evolução dentro do contexto de formação de jovens. Correu o risco ao fazê-lo, mas considero que estamos no caminho certo.

Permita-me que dê os parabéns a essa aposta, porque sempre defendi esse aspecto. Que é para si estar no Boavista?

Conheço o Boavista desde pequenina, conheço o clube há muitos anos e frequento o estádio do Bessa muitas vezes e tenho um carinho muito grande pelo clube. Aliar ao clube que gosto, a modalidade que gosto, com as pessoas que gosto, proporciona que o trabalho seja feito como desejo.

Quem a foi buscar ao CPN, sabia o que estava a fazer?

Exacto, sabia o que estava a fazer.

Quantos atletas vão passar dos Traquinas para os Benjamins, na próxima época?

Dos quinze que temos a competir irão passar dez, que foram há dois anos Petizes. O cérebro deste grupo vai subir aos Benjamins, já se conhecem bem, já sabem o que é jogar no Boavista estão a fazer a evolução que defendemos na Academia. À excepção de um atleta, os restantes sete da equipa dos  Petizes sobem para os Traquinas na próxima, e por isso, já temos uma boa base de trabalho.

A Academia está trabalhar a cem por cento?

A duzentos, porque cem é pouco.

A Filipa João que chegou no princípio da época, evoluiu com esta sua experiência?

É importante quando chegamos a uma casa, saber o seu passado para saber o resultado do que estamos a fazer. A Academia tem cinco anos e é a quarta época que participa nas competições oficiais. A aposta era vencer as provas nos dois escalões mas só conseguimos num e noutro um segundo lugar, pelo que considero uma época excelente.

Quer analisar mais em pormenor?

Fazendo eco, do que nos chegou pela voz dos pais, pegamos num grupo que estagnou na época anterior e conseguimos retomar a sua evolução, o que é registado pelos mesmos pais. Os números falam por si. Nunca uma equipa de Traquinas conseguiu obter mais que 45% de vitórias em jogos oficiais e nós este ano chagamos aos 75%.

Analisam tudo com estatísticas percentuais?

Exacto, acho isso muito importante. Nunca nenhuma equipa de Traquinas de uma Academia teve valores tão baixo em pontos perdidos, que foram 20% de derrotas e 5% de empates. Até aqui o valor mais baixo era de 28%. Duplicamos a média de golos, que é superior a cinco por jogo e de golos sofridos inferior a dois. Com estas tabelas verificamos que o Boavista em Petizes, perdeu cinco jogos e quatro deles foram com o Rebordosa, que foi a equipa que se sagrou campeã.

Como é que o Rebordosa tem equipas tão fortes?

Porque têm uma equipa de dois ou três anos a ser formada continuamente. Não há que lhes tirar o mérito pela vitória e pelo trabalho que desenvolvem. Esta equipa deles jogou há duas épocas com a nossa equipa de petizes. Há da parte deles um trabalho continuado que ainda não nos foi possível fazer, por isso, não podemos sentir demérito aos nossos miúdos.

O treinador que foi árbitro, tem outra forma de ver e preparar os miúdos com mais rigor?

A minha experiência na arbitragem fez-me saber colocar-me no meu lugar. Quando era árbitro nunca analisei em público o trabalho de um colega. Quando passei a adepta vi o jogo com a paixão de adepta de um clube. Como treinadora a minha responsabilidade é maior porque não posso ver o jogo com essa paixão.
A minha obrigação é pedir que os meus atletas sejam o mais perfeitos possível. É claro que se alguém assistir a um jogo de Traquinas, verá falhas na reposição de bola, falhas nos lançamentos laterais e uma série de falhas que têm que ser corrigidas pelos treinadores, mas igualmente ajudadas pelos árbitro durante o jogo. Disciplinarmente o ter sido árbitro nada me alterou porque já é de mim ser rigorosa nesse aspecto, embora esses problemas não se coloquem nestes escalões.

Já assinaste para a próxima época?

Já, porque quero continuar e sinto-me muito bem no Boavista e porque o coordenador não brinca em serviço.

GAF - FOTOS DOS PÓDIO DO TORNEIO DE BRAGA E CAMPEONATO DISTRITAL

Pódio do Torneio Internacional de Braga 


 Pódio dos Campeonatos Distrital



BOXE - TRÊS PANTERAS VÃO LUTAR PELO TÍTULO NACIONAL EM JUNIORES


Três pugilistas do Boavista, vão lutar pelo título de Campeão Nacional de Juniores.

No próximo sábado o Boavista Futebol Clube, vai ser representado na final do Campeonato Nacional de Boxe no escalão de Juniores, que se realiza em Lisboa.

Os pugilistas axadrezados (Campeões Distritais) são:

Francisco Leite – 50 kg
António Rodrigues - -91kg
Susana Sousa – 52 kg