Texto principal

PARTICIPE NO FESTIVAL DE COR E ALEGRIA QUE O SARAU DE NATAL DA GINÁSTICA E ARTES MARCIAIS, LHE GARANTE. ADQUIRA OS SEUS INGRESSOS, NA SECRETARIA DA GINÁSTICA DO BOAVISTA FUTEBOL CLUBE

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

ENTREVISTA COM HELENA MONTEIRO - UMA PANTERA SEM MEDO DO FUTURO

Helena Monteiro, vive o Voleibol diariamente. Mesmo, em período de férias, as suas atenções estão concentradas na próxima época. Realizamos esta entrevista no Estádio do Bessa e com a sua alegria, ficamos a conhecer um pouco mais, esta Grande Esperança do Voleibol Nacional.


Concluído o teu primeiro ano a disputar o Campeonato Nacional de seniores da primeira divisão, a pergunta que coloco é, sentiste diferenças substanciais entre o campeonato da segunda e este?

São muito diferentes. E assim é muito diferente, estar numa ou noutra divisão. Na primeira divisão, todas as equipas têm imensas qualidades, enquanto na segunda, tal não acontece, porque as equipas são compostas por atletas com menos experiencia. Na primeira divisão, as equipas são mais trabalhadas e têm outros objectivos competitivos, dando à prova um cariz competitivo bastante grande

Pessoalmente, sentiste uma evolução, a disputar este campeonato?
Senti, que evolui bastante com a participação na primeira divisão. Foi muito diferente, foi um salto enorme.

Continuas a participar nos trabalhos da seleção Nacional. Com consegues organizar o teu dia-a-dia?

Dedico quase toda a minha vida ao Voleibol. Tenho treinos todos os dias, pela seleção e depois pelo Boavista, tendo na média dois treinos por dia. Pela seleção, treino pelas seis horas da manhã, terminado o treino vou para as aulas e no final da tarde tenho o treino do Boavista.

Como se consegue treinara às seis da manhã?

Dormimos todas juntas nos Carvalhos e todas, sabemos que temos o treino nesse horário. É uma questão de adaptação.

Vários clubes pretendem a tua aquisição, mas uma vez mais, contínuas no Boavista. A que se deve esse facto?

Primeiro, porque é o meu clube de coração e o clube onde sempre joguei. Para além do facto de me sentir muito bem acompanhada pela equipa técnica e assim, não correr o risco de ingressar num clube com maiores ambições e por causa da minha idade, ser menos utilizada.

O Professor José Machado, acompanha e complementa o teu trabalho n a seleção?

Evolui muito mais com o professor que na Seleção. O professor fez-me crescer muito. Sinto que acabei por evoluir muito neste anos, derivado da complementaridade, dos trabalhos com o professor e com os trabalhos da seleção.


Como “vês” o Professor José Machado?

Ele, é cinco estrelas. Ele, fez de mim o que eu sou neste momento. Ele trabalha muito connosco e explora os nossos pontos fracos, trabalhando, exigindo e fazendo-nos corrigir e evoluir. É exigente e pouco simpático a treinar… com ele, aprende-se a jogar Voleibol a nível competitivo exigente.

A nível de equipa. O que podemos esperar do Boavista nesta época?

Lutar por um dos primeiros quatro lugares cimeiros. Já o ano anterior, acho, que podíamos ter feito mais, mas este ano, quero mesmo ficar num desses lugares e na pior das hipóteses ficarmos no segundo grupo para ganhar o Campeonato Nacional. Nunca venci nada e quero vencer um título este ano. Quero e acredito.

Com que idade começaste a jogar voleibol?

Com onze anos. Senti curiosidade e vim com uma prima.

Não começaste cedo. Já jogavas razoavelmente?

Eu jogava na escola, mas era uma “fininha” que não acertava uma…

E como chegas a este nível?

Eu sou muito autoconfiante. Desejei, jogar voleibol. E joguei! Apostei, em jogar na equipa sénior do Boavista e aqui estou! Desejei, jogar na seleção e consegui. Eu trabalho para atingir o que quero e tenho conseguido.

Para o futuro quais são os teus objectivos como atleta? Queres ser profissional e jogar no estrangeiro?

Jogar no estrangeiro, é uma aposta minha desde o princípio de atleta. Quero realizar essa minha aposta, já no próximo ano, pois penso ser a hora certa para sair. Quanto a ser profissional… vamos ver essa situação.


Tens duas apostas para esta época. Vencer uma prova pelo Boavista e passar a jogar no estrangeiro?


Exacto. Conseguindo isso, ficarei muito feliz, para além de ter, nesse caso, representado em Portugal, sempre o meu clube. Também tenho certos objectivos para alcançar com a camisola nacional.