Texto principal

ESTÃO ABERTAS AS CAPTAÇÕES PARA OS PLANTEIS DE FORMAÇÃO DE FUTSAL. CONHEÇA OS DIAS DE TREINOS E ESCALÕES, CLICANDO NA FOTO DO LADO DIREITO DESTA PÁGINA.

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

CRIAMOS UM NOVO BLOGUE, EXCLUSIVAMENTE PARA FOTOGRAFIAS DAS AMADORAS

Para apoiar, com fotos, as nossas reportagens no universo, das amadoras do Boavista Futebol Clube, criamos um novo blogue, exclusivamente para arquivos das fotos.

Para visitarem o novo blogue (ainda em construção) devem clicar sobre o seguinte link ,


ou utilizarem a passagem directa na janela da nossa página principal

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

ANDEBOL (JUVENIS) - FOTOS DO JOGO COM O PORTO

FOTOS DO JOGO FC PORTO - BOAVISTA FC (JUVENIS)



Fotos de autoria de Paulo Correia

ENG. ANA ALONSO, DIRECTORA DA ESC. FONTES PEREIRA DE MELO, AGRADECE INICIATIVA DO VOLEIBOL

Eng. Ana Alonso, Directora da escola Fontes Pereira de Melo
A organização do Torneio de Voleibol, José Palmeira, decidiu atribuir todos os bens alimentares recolhidos durante o Evento, às famílias mais carenciadas dos alunos da escola Fontes Pereira de Melo

A Directora deste estabelecimento de ensino, Engenheira Ana Alonso, teve a amabilidade de estar presente no primeiro dia da prova.
Aproveitamos, esse facto, para trocar algumas impressões, sobre esta iniciativa e sobre a colaboração entre a escola e o Boavista.

Como registou esta iniciativa de oferta de bens alimentares aos familiares de alunos da Fontes Pereira de Melo?

Agradeço imenso essa ideia, porque efectivamente nós temos muitas famílias carenciadas, muitos miúdos carenciados e será sempre uma ajuda para alguns. Vamos tentar distribuir da melhor maneira possível. Além de tudo é uma honra, termos como parceiro esse grande clube que é o Boavista.

Na é a primeira colaboração entre as duas Instituições…

Temos tido umas relações óptimas com o Boavista Futebol Clube. Já o tínhamos no passado, mas cada vez são mais fortes actualmente. É sempre uma honra, podermos colaborar com o Boavista e ajudar no que for possível, como, quando precisamos do Clube, sabemos que teremos resposta positiva.

A vossa escola, Fontes Pereira de Melo, tem uma visão muito positiva e diferente sobre o desporto. A que se deve tal visão?

Nós investimos muito no desporto. No desporto, internamente na escola e em colaboração, com outras Instituições e temos uma relação privilegiada com as Actividades Amadoras do Boavista. 
O desporto, para nós, é fundamental, porque ajuda muito a estabilidade emocional dos alunos. Temos muitos alunos, que são vossos atletas e, portanto, esta parceria convosco é sempre muito boa.

A escola, tem um ambiente calmo e pacífico, mas fica localizada numa área algo complicada. Como conseguem essa pacificação interna, de paz e respeito que se nota facilmente, na Fontes?

Com muita atenção aos alunos e muita dedicação de todos nós. Nós, somos das escolas que temos a maior oferta formativa da cidade, desde os cursos mais qualificantes, mais profissionalizantes, até aos cursos mais regulares daqueles meninos que apostam em ir para a faculdade e nós conseguimos tê-los todos num ambiente em que eu vejo, harmonia e num ambiente pacífico, com alunos de vários diversidades culturais e económicas, conseguindo com muita atenção e carinho, que eles se integrem e vivam em conjunto.

A Fontes, é uma escola que eu gostaria de ter os meus netos…

Obrigado, por dizer e sentir isso, o Senhor que conhece muito bem a nossa escola.

Conheço de tal forma e internamente, que me permito colocar outra questão. Existe um ambiente familiar entre Direcção e funcionários. Como se conseguem gerir este aspecto?

Realmente temos uma colaboração muito grande, entre nós, Direcção, os docentes e não docentes. Nós estamos muito atentos e não dividimos tarefas. Ou seja, se for necessário que a Direcção  ir para o pavilhão transportar cadeiras… vai! Os funcionários vão, voluntariamente, ajudar e os docentes também participam. 
Todos, nós, damos as mãos, somos todos iguais e desta forma, levamos em frente uma cultura que achamos positiva para este ambiente positivo em que todos vivemos.

Esperemos que esta pequena e simples iniciativa, aproxime-me (ainda) mais o Vosso agrupamento e o nosso clube.


De certeza absoluta que o fará e em nome de todos, Muito obrigada.

PAULO CORREIA, PASSARÁ A FOTOGRAFO OFICIAL DAS AMADORAS

O Blogue das Amadoras, estabeleceu um protocolo de colaboração com Paulo Correia, que passará a fornecer os seus trabalhos fotográficos de todas as modalidades para o nosso blogue.







Ainda, hoje, informaremos como vamos expor todas as fotos de interesse. 

terça-feira, 6 de outubro de 2015

ENTREVISTA COM CARLOS ANTUNES, UM ÁS NO BARALHO DO BILHAR AXADREZADO

Carlos Antunes, um bilharista conceituado que passou a representar o Clube do seu coração, naquilo que lhe parecia um sonho irrealizável. Com a profissão de Comercial e com a idade de 54 anos, recusa ser o às do baralho axadrezado.

Comecemos por identificar o Carlos Antunes. Como nasceu o prazer de jogar bilhar?

O gosto pelo bilhar nasce de um “vício” que era normal antigamente existir… o gosto pelo café. Assim, aprendi num grande café, em que parava muito tempo. Falo de um grande café, de um Grande Boavisteiro, diga-se de passagem, que é o Senhor Pais do Amaral, que era propritário do café D. Pedro na rua quinze de Novembro. 
Foi aí, que aprendi a jogar, essencialmente bilhar livre. Depois apareceu o Ateneu Comercial do Porto, quase trinta anos depois, que só tinha Carambola. O jogo às três tabelas requer muito tempo de aprendizagem, por isso, ainda fiz algumas épocas nesse clube e conseguimos alguns triunfos dignos de registo, entre os quais, fomos  Campeões Nacionais por equipas.

Representou outros clubes?

Andei por aí. Primeiro numa Academia que já não existe e depois noutros clubes.

Como se dá o ingresso no Boavista?

José Alberto, nosso coordenador, que já conhecia há muitos anos, convidou-me para representar o Boavista.

Em que clube estava?

No New Academy, na primeira divisão nacional.

Voltando a trás. O convite agradou-lhe?

Muito. Porque, antes de mais, sou um boavisteiro de sete costados. O projecto do Boavista fez agora um ano, mas está a ter bastante aceitação em todos os adeptos e conhecedores do bilhar e o Boavista, está a ser um clube desejado por muita gente.

Já conhecia os seus novos colegas de equipa?

Todos eles eram já conhecidos. Havia um mais jovem que era filho de um amigo, a quem conhecia mais vagamente, mas os restantes já os conhecia bem., dado que são todos do mundo do bilhar.

O José Alberto, apostou na subida da terceira para a segunda e agora aposta na subida para a primeira. Considera possível?

Permita que corrija. O Boavista não subiu para a segunda divisão. O Boavista foi Campeão Nacional. Quanto à subida, considero possível embora não vá ser fácil, porque esta época há equipas muito ambiciosas, mesmo no distrito do Porto. A nossa grande aposta é subir de divisão, não há promessa de sermos Campões Nacionais, mas a subida de divisão já seria muito boa. Juntando a esta aposta na subida, queremos estar presentes na fase final da Taça de Portugal. São estes os grandes objectivos para a época.

Que número de treinos estão a realizar?

Para já estávamos a treinar uma vez por semana, mas vamos passar a realizar dois treinos por semana, num ambiente muito positivo, porque há grande união e humildade entre todos os elementos da equipa.

Continuam a treinar na Cervejaria Diu?
Exactamente e queria aproveitar, para enaltecer a postura da Cervejaria Diu, como Sponsor da secção. Que para mim tem sido muito agradável e uma surpresa muito grande, tal a forma como nos tratam e apoiam. Estão muito na sombra mas são muito activos. Eu que estou aqui há dois meses, já sinto isso. Há uma conjugação entre a Cervejaria Diu e Boavista, a funcionar a cem por cento.

Mas a aposta do José Alberto é outra. Conhece-a?

Você vai-me perguntar se a secção gostaria de ir para o Século XXI… é um dos grandes objectivos, mesmo sabendo das grandes dificuldades que o Boavista atravessa, mas era muito importante e em vários aspectos. 
Para o Bilhar, pra nós e para o clube que passaria a ter uma sala de jogos no estádio.
Deixe que lhe diga, que seria também muito bom para o bilhar, que continua a ser conectado com uma sala cheia de fumo. Ainda existem salas sem grandes condições, mas já se encontram salas com muitas condições para a prática de um bom bilhar. Há fases finais disputadas em grande salas.

Como se consegue iniciar na categoria de Carambola e passar para o Pool Português?

Na minha geração de anos sessenta, todos os cafés tinham bilhar livre. Eu via o senhor Pais do Amaral, que era grande jogador, a jogar e passava lá horas, só a ver e... a ver, também se aprende a jogar. Na Carambola aprendem-se todas as bases do bilhar, a forma de tacada, efeitos a dar etc…

Mas o Pool é completamente diferente?

O Pool não é só meter bolas nos buracos, como muitos pensam. É um jogo de paciência, é um jogo de defesa, outras vezes de ataque. Umas vezes a defesa sobrepõe-se ao ataque. Felizmente, temos tido uma grande divulgação graças às transmissões da Euro sport, dos campeonatos de snoccker.

Como está  bilhar em Portugal?

Em grande ascensão desde o Porto à Madeira com um enorme aumento de praticantes e com um excelente trabalho da federação. Como em tudo na vida, as Federações não estão a atravessar um bom momento. Pelo que conheço da nossa, considero que está a realizar um bom trabalho. 
É fundamental deixar de confundir o espaço comercial com o desportivo e os clubes conseguirem um espaço liberto da parte comercial, para não se continuar a confundir clubes com cafés.

Voltamos ao Boavista e a uma sala no estádio…
Concretizando essa sala, poderíamos arrancar com uma Escola de Bilhar, para fazermos formação e Works shops e acredito que a aposta do José Alberto se vai concretizar, porque mesmo com esta dificuldades, o Boavista viria a beneficiar dessa situação.

O que representa para um sócio de há nos do Boavista, vestir a sua camisola oficialemente?

Representa muito, mas mesmo muito. O ano passado, estava na primeira divisão e quando soube da existência de uma equipa de bilhar do Boavista, desejei trocar a primeira pela terceira só para vestir essa camisola.

O Carlos Antunes passa a ser a estrela da equipa?

Não nada disso. Isto é um jogo de equipa. Se eu ganhar os meus jogos todos… não ganhamos o jogo, os outros têm que ganhar os seus jogos também. Temos que conseguir atingir as nove partidas para vencer a o jogo. Digo-lhe que a nossa equipa é muito equilibrada.

Representar o Boavista e continuar com ambição é para si, é dois em um?
É verdade. Eu quando encontrei o José Alberto e lhe dei os parabéns pela conquista do título, perguntei se o Boavista não estava a fazer captações, para me candidatar. As cosias passaram-se e aqui estou em no meu clube, mas sendo somente mais um.

Os clubes ficam e as pessoas passam…


Mas quando se ama um clube não se muda. Demorou cinquenta e quatro anos mas chegou a altura de vestir esta camisola. Termino com um pedido. Arranjem lá um espaçozinho para jogarmos no estádio do Bessa.

Entrevista de 

Manuel Pina

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

MENSAGEM DE GRAZIELA PALMEIRA

Mensagem de Graziela Palmeira, sobre a organização do torneio

Após o desfecho do Torneio, venho agradecer a todos os que estiveram envolvidos em manter vivo o espírito de José Palmeira.

Sei e sinto que esteja ele onde estiver, estará orgulhoso pelo Clube do seu coração manter a modalidade que tanto gostava e que tanto fez e lutou para que esta, nunca tivesse a possibilidade de desaparecer. Felizmente, ainda há quem viveu com ele esta realidade e hoje, eu própria sinto um orgulho enorme por ele e NELE.

Quem me conhece, também sabe que não sou de muitas palavras, mas de ações e como tal o que me ocorre dizer é: MUITO OBRIGADA a todos, sem exceção.

PS: Como não tenho o face do Prof, José Machado, fica aqui um agradecimento personalizado.

JOÃO BRENHA, UM CAMPEÃO DE CORPO INTEIRO, NA FORMAÇÃO DO ROSÁRIO

Presente, neste torneio, uma das maiores figuras portuguesas do Voleibol nacional e internacional. João Brenha, é actualmente técnico da formação do Colégio do rosário e não podíamos perder a oportunidade de conversar com tal ilustre campeão.


Todos os adeptos da modalidade conhecem João Brenha, mas numa mensagem aos mais jovens, vamos dar a conhecer João Brenha. Qual a sua história?

Comecei a jogar voleibol aos oito anos. Isto vem de família, porque o meu irmão jogava e eu morava muito perto do pavilhão da Académica de Espinho, foi natural que jogasse voleibol, numa cidade de Voleibol. Fiz toda a minha formação na Académica de Espinho, tendo jogado, depois, em clubes como sénior, no Castêlo da Maia e SC Espinho.

E todos sabem… passou para o Voleibol de praia, onde jogou por esse mundo fora? Como se processou essa fase?

Acumulei o Voleibol de pavilhão e de praia, nunca abandonei o pavilhão e acumulei sempre as duas variantes.

Em que ano se iniciou na praia?

Em 1990.

Será um crime eu perguntar-lhe qual a variante que gosta mais?

É mesmo um crime, porque acima de tudo eu gosto muito de Voleibol.

Mas na praia é diferente. Mais complicado?

A verdade é que no Volei de praia conseguimos atingir patamares que no pavilhão não conseguimos. Nós jogamos durante anos num campo de nove por nove, hoje em dia o campo é de oito por oito. Somos apenas dois jogadores, estamos condicionados pela areia e temperatura do exterior, muitas vezes muito altas, mas como o desporto de alta competição nós temos que estar à altura para corresponder às dificuldades.

Desporto de alta competição, é só para alguns?

Penso que sim, temos que trabalhar muito e temos que gostar muito para enfrentar dificuldades.

Continua a jogar?

Agora, apenas jogo no Inatel.

Vamos passar para o torneio e colégio do Rosário. Há quanto tempo treina a formação do Colégio?

Este será o meu quarto ano. Sou professor no Colégio e acumulo com o Voleibol, nos escalões de formação. Este ano, estou com as infantis.

Há na opinião pública a ideia que o Colégio fará a formação para as equipas do Porto Volei, como por exemplo, faz a Escola de Lamaçães com o SC Braga. Estamos certos ou errados nesse aspecto?

Não existe nenhum protocolo que formalize isso, mas existe essa facilidade porque há dirigentes que são comuns nos dois clubes e este ano, foram algumas atletas do colégio para o Porto Volei, mas oficialmente , nada existe nesse aspecto.

Foi importante a participação no torneio?

Exactamente. Estou com uma equipa de infantis que tem algumas atletas que ainda são minis “b”, é sempre importante elas jogarem e conhecerem outras realidades, porque treinar é uma coisa jogar é outra.

Para a competição oficial o que espera?

Pouco, porque como lhe disse tenho seis ou sete atletas minis, nesta equipa de infantis e por isso será uma época de simples formação.

O professor Carlos Simão, foi seu treinador?
Foi na Académica de Espinho.

Tem alguma coisa a dizer mal dele?

(rui-se) e disse; nada a dizer…é bom homem e conhecedor

HÓQUEI EM PATINS - RESULTADO DO FIM DE SEMANA


FUTEBOL FEMININO - RESULTADOS DO FIM DE SEMANA


FUTSAL - RESULTADOS DO FIM DE SEMANA



ANDEBOL - RESULTADOS DO FIM DE SEMANA


ANDEBOL (SENIORES) - PONTO DA SITUAÇÃO À 2ª JORNADA

RESULTADOS

 CLASSIFICAÇÃO

PRÓXIMA JORNADA


KICBOXING - PEDRO ALVES VENCE EM GUIMARÃES POR KO

Na Gala de Kicboxing do Vitória de Guimarães, que se realizou no passado Sábado, o atelta do Boavista Futebol Clube, Pedro Alves defrontou e venceu, Marco Lima.

O nosso atleta, venceu por KO, ao 4.º assalto.


Com esta vitória, Pedro ALves irá disputar o Titulo Nacional de Low-Kick Classe B (neo-profissional).

domingo, 4 de outubro de 2015

TORNEIO JOSÉ PALMEIRA (INFANTIS) AJM VENCE COMPETIÇÃO

Terminou a competição  no escalão de INFANTIS, com os seguintes resultados:


BOAVISTA FC 0  – COLÉGIO ROSÁRIO 3
AJM 2 – ESMORIZ GC 1

CLASSIFICAÇÃO FINAL
1º AJM 4
2ºESMORIZ GC 5
3º COLÉGIO ROSÁRIO  4

4º BOAVISTA FC 3

TORNEIO JOSÉ PALMEIRA (JUVENIS) AJM VENCE COMPETIÇÃO

Terminou a competição  no escalão de JUVENIS , com os seguintes resultados:


BOAVISTA FC 0 – AJM 3
ALA GONDOMAR 2 – ESMORIZ GC 1


CLASSIFICAÇÃO FINAL
1º AJM 6
2º ALA GONDOMAR 5
3º BOAVISTA FC 4
4º ESMORIZ GC 2

INÊS ROCHA, UMA PANTERA DE FORMAÇÃO, A TREINAR NAS CALDAS DA RAINHA

Inês Rocha, tem um passado curioso. Fez toda a formação como atleta no Boavista Futebol Clube, foi a treinadora que iniciou a secção no FC da Foz e agora encontra-se a trabalhar como técnica do SC Caldas. Esses e outros pontos, foram analisados em entrevista.

Antes de falarmos do SC Caldas, explica como é que uma mulher que começa o projecto do FC da Foz, aparece a treinar nas Caldas da Rainha?
Iniciei o projecto do FC da Foz, onde estive dois anos, depois, tive um convite do professor Carlos Simão, para ir para o Gueifães, onde estive uma época. No final dessa época, o SC Caldas, convidou-me para ingressar no Clube. Aceitei e aqui estou de corpo inteiro, há duas épocas.

Mas foste iniciar um projecto ou já havia voleibol no Caldas?

Havia voleibol, mas só uma equipa de Juniores. A minha equipa de Cadetes começou do zero, porque havia juniores de competição e as outras meninas estavam noutros eventos, como o gira vólei, ou mini vólei, por exemplo. Decidimos dar o doce, porque as miúdas não faltam aos treinos, têm muita fome de bola e prometiam muita evolução.

Este é o segundo ano do projecto?

Sim, é o segundo ano.

Sentes já uma evolução técnica?

Uma evolução fantástica, mesmo não tendo conseguido passar para o nacional. Por exemplo, no nosso primeiro jogo oficial das meninas que eram iniciadas, mas estavam a jogar como cadetes, foi contra o Belenenses e no primeiro set perdemos 2/25… foi horrível, mas no terceiro set perdemos por 23/25. Logo nesse jogo se viu do que elas seriam capazes.

A nível regional como têm sido os resultados?

Ao não passarmos ao nacional continuamos a nível regional e sempre em melhoria, vencendo os últimos setes jogos terminando em primeiro lugar.

Qual a vossa associação de competição?

A associação de Lisboa, onde existem boas equipas, como por exemplo, a Lusófona, Belenenses, Alto de Moinhos, Maristas, entre outros.

O vosso projecto, tem limites, ou é para seguir em frente?
O projecto é para continuar e chegar ao escalão de seniores.

Pareces uma mulher/treinadora feliz…

Sim, porque tenho toda a esperança nelas e sei do que elas são capazes e elas também sabem, o que, às vezes não querem é mostrar.

A deslocação a este torneio, é por ti, considerado positivo, ou foi desgastante?

Não foi nenhum desgaste e a nossa participação foi muito importante. É muito válido, ver o Boavista organizar estes torneios e ser de novo, um nome no Voleibol nacional feminino. Até agora, parecia ter adormecido. Eu, fiz toda a minha formação como atleta do Boavista. Considero, que foi uma mais-valia, ter vindo o professor Carlos Simão, para coordenar a formação do Boavista.

TORNEIO JOSÉ PALMEIRA (INFANTIS) RESULTADOS DA 2ª JORNADA

Está completa a segunda jornada no escalão de INFANTIS, com os seguintes resultados:


BOAVISTA FC 0 – AJM 3
ESMORIZ GC 2  – COLÉGIO ROSÁRIO 1

CLASSIFICAÇÃO 2ª JORNADA
1º AJM 4
2ºESMORIZ GC 4
3º COLÉGIO ROSÁRIO  2
4º BOAVISTA FC 2

PRÓXIMA JORNADA
BOAVISTA FC – COL. ROSÁRIO

AJM  – ESMORIZ GC