Texto principal

PARTICIPE NO FESTIVAL DE COR E ALEGRIA QUE O SARAU DE NATAL DA GINÁSTICA E ARTES MARCIAIS, LHE GARANTE. ADQUIRA OS SEUS INGRESSOS, NA SECRETARIA DA GINÁSTICA DO BOAVISTA FUTEBOL CLUBE

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

BOXE - VÍTOR CARVALHO, A ENTREVISTA COM O TRICAMPEÃO NACIONAL



 "Acho que estou no clube certo com as pessoas certas..."

Vítor Carvalho, sagrou-se no passado fim de semana Campeão Nacional de Boxe na categoria de 64 kg, no escalão sénior. Juntando este título aos anteriormente conquistados de Campeão Nacional no escalão de Juniores.
Assim, é tricampeão Nacional de Boxe.

Quando te iniciaste no boxe?

Ando no boxe deste pequeno, mas a nível competitivo comecei há quatro anos.

Sempre no Boavista?

Não. Comecei no Ramaldense. Depois abandonei a modalidade e quando resolvi regressar ao Boxe vim, então, para o Boavista Futebol Clube e iniciei a minha participação na competição.

Três perguntas numa. Porquê o Boxe, porque desististe e porque regressaste?

Em primeiro lugar porque o Boxe é um desporto com o qual me identifico imenso e que tenho a certeza me faz bem. Desisti, porque somos miúdos temos alguns sonhos e eu ingressei no futebol, porque acreditei ser o meu sonho, mas por pouco tempo.
Regressei, porque vi que o meu amor era o Boxe e porque senti falta dele.

A nível de títulos?

Considero-me Tricampeão Nacional, porque junto ao título nacional de seniores que conquistei este ano, aos dois títulos nacionais que tinha conquistado nos dois anos anteriores. Igualmente me sinto como tricampeão Regional, pelas mesmas razões.

Chegas ao Boavista, no primeiro ano não competes e a partir desse é sempre a ganhar. Como aconteceu essa evolução?

Graças ao trabalho que faço com os meus treinadores e pela grande qualidade que têm e ensinar. Juntando a competência deles, com a minha vontade e entrega nos treinos, os resultados apareceram. Acho que estou no clube certo com as pessoas certas e tenho a minha ambição pessoal.


O que sente um jovem, tricampeão nacional de Boxe?

Em Portugal isso não é considerado grande feito, mas claro que me sinto muito bem e com  muito orgulho acima de tudo

Três anos com títulos não aumentam a pressão quando vais combater?

Tenho consciência que não se ganha sempre, mas quando entro no ringue não me lembro se tenho ou não títulos conquistados.

Este título foi conquistado a combater com que adversário?

O meu adversário era um atleta do Arena de Faro e eu sempre me senti bem. Consegui fazer o que queria e tudo me correu bem.

Quantos treinos fazes por semana?

Treino todos os dias excepto ao domingo que aproveito para descansar. Treino uns dias cerca de duas horas e outros dias cerca de uma hora e pouco.


Quem são os teus treinadores?

São o Senhor Carlos Caldas e o André Silva.

Quando participas numa competição não oficial, sentes que és olhado de outra forma? O campeão tem uma carga especial?

Sinceramente acho que sim. É lógico que sendo tricampeões, não queremos perder porque sentimos que muitas pessoas nos observam de outra forma que o vulgar pugilista. Sem em que torneio for e seja qual for a competição.

Sentes orgulhoso de te reconhecerem na rua como pugilista do Boavista?

Ainda não cheguei a esse ponto. Existem amigos jovens que sabem isso e tenho que dizer que sim. Sinto orgulho em ser reconhecido.

Não tens um pouco de vaidade no que tens conseguido?

Um campeão é sempre humilde. Mas também temos que nos valorizar um pouco. Se não nos valorizarmos nunca iremos atingir um patamar que está ao nosso alcance. Tenho que valorizar o que consegui até aqui, para poder ir mais longe.

Um título recompensa todo o empenhamento num ano de treinos?

Óbvio que sim. Quero estender esta minha alegria aos meus familiares e aos meus treinadores. Sem eles não ia a lado algum.


terça-feira, 12 de dezembro de 2017

COMO CHEGAR AO PAVILHÃO DE CUSTOIAS PARA O SARAU DA GINÁSTICA




Para encontrar o pavilhão Municipal de Custoias temos as seguintes hipóteses.

1.      Morada para meter no GPS -

2.      Quem vier do cruzamento do padrão da légua deve seguir pela rua de Recarei na direção norte (para o Araújo). Antes (40 metros) de passar por baixo do viaduto da A 4, vira à esquerda e segue a direito que passados 500 metros encontra o pavilhão.


3.      Quem vier pela Via Norte, deve sair para Custoias e no cruzamento com a Rua de Recarei, vira á esquerda passa por baixo do viaduto da A 4 e vira à direita logo na primeira rua e segue a direito que passados 500 metros encontra o pavilhão.

4.      Quem passar pela frente da cadeia de Custoias, vira à direita e a 50 metros tem uma passagem desnivelada por baixo da A 4. Passa para o outro lado do A 4 e olhando à direita vê o pavilhão.

Uma referencia fácil, perguntar pelo jardim do Souto o pavilhão fica a 200 metros.

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

ANDEBOL (JUVENIS) - TIAGO CARNEIRO ANALISA JOGO E ASSUME CANDIDATURA À PASSAGEM PARA A FASE SEGUINTE



Tiago Carneiro, era um técnico calmo e consciente da importância do empate, mas acima de tudo do grande jogo que tinha terminado.
 "...o apuramento é uma exigência."

Como reage a este empate num jogo que se comandou sempre?

Antes demais foi um grande jogo de andebol com duas equipas muito fortes com níveis de concentração muito altos e poucas falhas técnicas, resumindo foi um grande espectáculo tivemos sempre na frente, finalizamos muito aos seis metros e muito bem.
Houve uma altura, na segunda parte, quando podíamos ter alargado a vantagem falhamos aos sete metros e assim não pudemos dar o salto e dando sempre vida ao adversário.

Mas o Feirense empatou - somente  - quando teve superioridade numérica. Isso foi significativo?

Houve realmente um momento muito importante. Quando eles chegam ao empate pela primeira vez, é quando jogamos com quatro jogadores de campo. Depois de eles empatarem o cansaço começa a vir ao de cima. O Feirense é uma equipa muito forte fisicamente e têm dois jogadores muito fortes nesse aspecto. Mas nós estivemos muito bem.

Aceita este empate?

O empate tem sabor a derrota – não posso mentir – mas se me dissessem no início do jogo que o empate era um bom resultado, eu diria que sim.

Qual o ponto da situação e objectivos?

Neste momento, estamos em terceiro lugar, numa posição de apuramento, dependendo apenas de nós e isso é o que nós queríamos. O apuramento para a fase seguinte não era o nosso obejctivo inicial, mas sim a manutenção no primeiro escalão nacional. 
Mas neste momento, o apuramento é uma exigência.

Sem qualquer intenção de ser agradável, posso afirmar que a equipa de Juvenis do Boavista é altamente competitiva?

No primeiro treino da época definimos que o obejctivo era não andar aqui a lutar apenas pela manutenção. O grupo assumiu que queria fazer a candidatura ao apuramento e até à data estamos a cumprir. Não é uma obrigação passarmos à fase seguinte, mas estamos aqui para assumir que esse é o nosso objectivo.

Grande entusiasmo nas bancadas. O que sente?

É fantástico. Já no jogo dos seniores com o Póvoa tivemos este ambiente fantástico com o miúdos da formação a ajudar e é isto que nós queremos. A pouco e pouco, chamar as pessoas e dizer que aqui há andebol de qualidade.