Texto principal

O DEPARTAMENTO DE GINÁSTICA E ARTES MARCIAIS DO BOAVISTA FUTEBOL CLUBE, VAI ORGANIZAR O SARAU DE ENCERRAMENTO DA ÉPOCA NO DIA 12 DE JULHO NO PAVILHÃO MUNICIPAL DA SENHORA DA HORA.


quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

ENTREVISTA DE FUNDO - FERNANDO SOBREIRO, O FISIOTERAPEUTA DAS AMADORAS

No apoio médico às modalidades Amadoras, existe um homem, por quem todos passam a caminho da sua recuperação física. Falamos de Fernando Sobreiro, o fisioterapeuta das amadoras. 

Há quantos anos está no Boavista, como fisioterapeuta?

Entrei no Boavista, em mil novecentas e oitenta e três, quando o falecido Doutor Acácio Lelo, foi solicitar os meus serviços ao hospital de Santo António.

Mas pelo que sabemos,e esteve (quase) a ingressar num outro clube. Confirma?

Confirmo. Anteriormente, tinha sido, contactado pelo Doutor Domingos Gomes, para o acompanhar no Futebol Clube do Porto. Fiquei claramente, orgulhoso pelo convite, mas recusei.

Por que razão?

Porque, essencialmente, não podia perder as condições, que  usufruía no hospital. Por outro lado, o Doutor Acácio Lelo, proporcionou-me condições equivalentes e acabei por fazer aquilo que sempre desejei, que era entrar na fisioterapia da área desportiva. E assim, ingressei no Boavista a trabalhar com o futebol profissional do Clube.

Mas anteriormente, já estava ligado ao desporto?

Após o meu regresso da Guiné, em setenta e quatro, estive a colaborar com o clube da terra onde nasci e aproveitei esse convite para me iniciar na área desportiva.

Qual foi o seu primeiro clube?

Comecei com a equipa de basquetebol do Leça Futebol Clube.

Teve outros clubes?

Não tive mais nenhum clube. Do Leça vim para o Boavista. Entretanto, tinha concluído o curso de fisioterapia desportiva, através do Instituto de Medicina desportiva.

Vamos falar um pouco dos primeiros tempos de xadrez. Com quem começou a trabalhar?

Comecei no futebol profissional com o Doutor Acácio Lelo, onde estive até mil novecentos e noventa. Depois, tive um pequeno um conflito com a equipa médica, mais propriamente com o Doutor Vieira Braga.

Quer aprofundar o tema?

Sem problema algum. Tudo se resumiu a que foram prestadas declarações erradas sobre uma atleta nossa, a Albertina Dias e com o seu treinador, que era simultaneamente o marido, o Senhor Belarmino. Como foram prestadas informações erradas sobre o meu comportamento, eu solicitei apo Senhor Major, Valentim Loureiro e ao Senhor Tavares Rijo, na qualidade de Vice-Presidente das Amadoras, uma reunião conjuntamente com o Doutor Vieira Braga, para esclarecer todo o processo e tudo o que foi dito. Tudo, porque  foram proferidas uma série de mentiras e deturpação de factos, que eu queria esclarecer e ser esclarecido, o porquê das afirmações que foram feitas, num programa de televisão com o Ribeiro Cristóvão. Nessa reunião, só estiveram presentes o Senhor Major e o Senhor Tavares Rijo, dado que  as outras pessoas faltaram, tendo comparecido uma pessoa que não era a indicada, e, por esse motivo, recusei-me a apresentar os factos e informei o Senhor Major, que me demitia e que nunca mais tarabalharia no Boavista.

Mas tal não aconteceu. Por que razão, mudou de opinião?

Porque o Senhor Tavares Rijo, me chamou após o final da reunião e baseado na proximidade temporal, da inauguração do pavilhão, apresentou-me uma proposta para eu passar a trabalhar exclusivamente para as amadoras. Aceitei, baseado nos muitos anos a trabalhar no Boavista. Tinha amizade pelas pessoas, amizade ao Clube e pelo gosto, que tinha, pelas condições que o Boavista me estava a proporcionar.

Estávamos em que ano?

Ano de noventa e um. Passei nessa data a tomar conta de toda a actividade de fisioterapia de todas as modalidades amadoras do clube.

Deixe-me colocar uma questão, que considero pertinente. Quando olhamos para uma equipa médica, consideramos que estamos a “ver” um mundo pacífico e parece que não é tanto assim. Concorda com esta visão?

Nem sempre é um mundo pacífico. Quando acontece algo de anormal, nós somos os primeiros a ser responsabilizados, numa primeira vaga de críticas, porque somos nós que estamos junto aos atletas e assim, sofremos o primeiro impacto das lesões que podem acontecer. 
Nessas alturas minimizamos muitas situações que possam acontecer para o atleta e para a sua recuperação, se logo, desde início, soubermos fazer o tratamento adequado. O médico e eu, sofremos a pressão da própria mentalidade que o atleta tem, que é “magoei-me hoje, mas quero estar curado ontem”. Muitas vezes, isto leva a processos de alguma tensão entre as partes interessadas.

Mas nem sempre o atleta colabora…

Sim. Existem atletas, a quem nós dizemos o que tem que fazer e depois vimos a saber que ele fez tudo ao contrário. Muitas vezes, mandamos parar uma semana e eles param um dia ou dois e sentindo-se melhor, regressam á actividade e acabam por estragar todo o processo de recuperação, estragando todo os trabalho que estava a ser feito. Felizmente são poucos a fazer isto. Tenho tratado de vários casos, alguns bem graves, tenho que o dizer, sempre com êxito.

Tem muita actividade, actualmente?

Quando tínhamos o pavilhão, havia fins-de-semana que entrava ao serviço, no sábado às duas da tarde e saía às dez/onze da noite. 
Acho que isso também uma prova demonstrativa do amor que, também, tenho por este clube. Estive sempre disponível, para o que precisassem, acompanhei as modalidades para a Madeira, para os Açores, para onde me solicitassem.

Mas a actualidade é muito diferente desses tempos?

O perder o pavilhão, foi uma coisa péssima que aconteceu na vida do clube. Tudo mudou e para pior. Eu sinto isso! 
Hoje, os atletas andam todos espalhados, uns treinam aqui, outros treinam ali, não há a proximidade que havia, quando todos vinham para o treino e nos concentrávamos no mesmo espaço. Era mais fácil, lidar com eles, controla-los e ter uma intervenção mais rápida e eficaz sobre as lesões, se bem que as máquinas que tenho para a recuperação, são praticamente as mesmas que tinha nessa altura, muito do que aqui se faz, parte do saber e das mãos que tenho. 
Felizmente, tenho conseguido, nos acasos de simples e média gravidade, resolvê-los ao fim de uma/duas semanas, alguns até em quatro dias se têm resolvido.

Há alguma modalidade que lhe dê mais trabalho?

De uma maneira geral, são todas iguais. Umas vezes é o futsal, outras, o andebol e até a ginástica. Mas não há nenhuma que dê mais tarbalho, em particular.
Por exemplo, a ginástica, como as atletas são mais jovens e sofrendo algumas pequenas lesões, os pais procuram-nos para conversar connosco, essa contacto, tranquiliza-os e tudo se torna mais fácil.

Há quanto tempo faz equipa com o Doutor, Pinto de Sousa?

Creio que a partir de noventa e dois que trabalhamos os dois em conjunto.

Falemos das instalações. Sinto que estão um pouco descontentes. Quais as razões?

Quando destruíram o pavilhão, foi-nos prometido que a passagem para aqui, seria uma coisa transitória. As nossas condições, são precárias, não considero que tenha condições para o nosso trabalho, é um local frio com dificuldades no próprio aquecimento que muitas vezes falha, que nos leva a estar um pouco desiludidos com a situação, porque, era considerado uma situação temporária e já passaram cerca de treze anos, antes da inauguração do estádio.

Prevê-se uma alteração de instalações?

As promessas estão feitas, mas promessas… são promessas. O estudo feito determinava que a nossa localização seria no espaço da ginástica, que tem excelentes condições, mas a falta de um elevador, para os doentes que dele necessitem, inviabiliza essa nossa deslocação para esse espaço. 
Em tempos do Rui Gonçalo, como Vice-presidente, ainda se estudou, mais a sério, essa situação, fez-se um projecto de tudo, mas as coisas sofreram alterações e tudo voltou à estaca zero.

Mas isso não lhe retira a dedicação ao clube?

Estou de corpo inteiro sempre. Enquanto, Deus me der vida e saúde estarei aqui, lutando para melhorar. Se calhar, só pensarei em sair para casa, quando tivermos as verdadeiras instalações para o departamento médico. Depois da inauguração dessas instalações, continuarei mais um ano e depois sairei, mas até lá continuarei aqui.

Inaugura-las e entrega-las?

Seria o maior gosto. Inaugurar as instalações médicas das amadoras e ao fim de um ano sair. Não dizer adeus ao Boavista, mas ir descansar um bocadinho, ao fim de todos estes anos.

Estes anos trouxeram-lhe amigos?

Tenho o coração cheio de amizades. Pelo clube e por todas as pessoas que me rodearam estes anos neste clube.

Algum momento mais marcante?


Um... que é inesquecível, quando fui galardoado pela Pantera, que a tenho em casa com muito orgulho e gosto. Tenho-a, exposta em casa e quando os amigos me vistam me perguntam qual é o seu significado. Digo, com vaidade e orgulho, que significa que fui considerado um dos principais elementos do Boavista, para ter direito a ela.

Entrevista de
Manuel Pina