Texto principal

PARTICIPE NO FESTIVAL DE COR E ALEGRIA QUE O SARAU DE NATAL DA GINÁSTICA E ARTES MARCIAIS, LHE GARANTE. ADQUIRA OS SEUS INGRESSOS, NA SECRETARIA DA GINÁSTICA DO BOAVISTA FUTEBOL CLUBE

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

BOXE - "RICA" EXPLICA A LESÃO QUE O IMPEDIU DE ESTAR PRESENTE NA FINAL NACIONAL DE CONSAGRADOS



O VITÓRIA E O BOAVISTA, SÃO DOIS CLUBES INDEPENDENTES E DIFERENTES DE TODOS OS OUTROS, QUE SE REVÊEM ENTRE SI.
 
Ricardo Gonçalves, foi um dos ausentes da final do Campeonato Nacional de Consagrados. Essa ausência, ficou a dever-se a ter contraído uma lesão no joelho na semana anterior à competição.


Encontramos um homem consciente, da consequência que teve a sua falta no combate, mas igualmente consciente, que as lesões acontecem e são sempre más, em todas as alturas.

Comecemos com uma informação da minha parte para si. Sabe que a sua anterior entrevista, bateu todos os recordes de visualizações, atingindo as dez mil?

Fico contente por saber isso e já vou embora mais satisfeito.

Repito o pedido, para se identificar, para os nossos leitores que não leram a anterior entrevista. Quem o pugilista Ricardo?

Chamo-me Ricardo Gonçalves, conhecido por “Rica” e combate em 91 kg. Estou no Boavista há cerca de seis anos e sou natural de Guimarães, sou o tal Vimaranense/Boavisteiro.


Continuemos por aí. Como surge um Vimaranense no Bessa?

Eu pratiquei a modalidade de MMA, porque em Guimarães não existia clube para praticar boxe. A fama da escola de Boxe do Boavista existe a nível nacional, como sendo a melhor e por isso, vim com um amigo ao Boavista e fiquei.

A fama é correspondida?

Sem dúvida que sim. A Escola do Boavista é fantástica e sem dúvida a melhor de todas. Competência, amizade e rigor.

Quantos títulos conquistou na sua carreira?

Já conquistei cinco regionais e três Nacionais.

Vamos entrar na fase menos agradável. Este ano, não esteve presente no seu combate da final, perdendo oportunidade de mais uma conquista. A que ficou a dever-se essa ausência?

Agora posso catalogar como uma brincadeira que deu para o torto. Eu tinha já ganho o título regional deste ano. Estava bem preparado para a final nacional, mas para manter o peso, continuei a actividade durante a semana. 
Num desses dias, convidaram-me para ir jogar futebol e eu, mantendo a ideia que iria manter o peso, em má hora, aceitei ir jogar. E durante o jogo, sofri um estiramento no joelho, que me arrumou definitivamente do combate.

Sentiu a frustração de não poder ir?

Pessoalmente senti, mas o que mais me custou foi pelo Senhor Caldas, que vive intensamente isto e bem sei que lhe doeu um bocado e por todo o grupo, porque sei que aqui, só se luta para ser campeão. 
A equipa do Boavista ficou reduzida correndo riscos de não conquistar o título, por minha causa. Essa frustração foi superior, à que senti individualmente.

Na realidade, isso aconteceu. O Boavista não conquistou o título. Como se sentiu?

Lamento, mais que ninguém, mas tudo fiz na boa fé e correu mal. Na próxima época não correrei riscos deste tipo.

A ultima entrevista, como já referi, bateu recordes. Coloquei o título de um Vimaranense no Boavista. Como explica, o Rica, que só esse facto elevasse tanto as audiências no Bessa e em Guimarães. Qual a razão?

Primeiro deixa-me orgulhoso. Depois entendo que esse facto provoque um bocadinho de curiosidade. Existe, sempre, uma ideia sobre a rivalidade entre estes dois grandes clubes. 
Eu que estou nos dois, sei que ao contrário do que se pensa, os Vitorianos admiram muito a gente do Boavista Futebol Clube e vice-versa. 
E porque? 
Porque são dois clubes, que não pertencendo aos três (chamados) grandes, têm uma identidade própria e independente. Têm umas massas associativas muito ferrenhas que apoiam o seu clube, incondicionalmente. 
São clubes de gente de raça e acabam por se reverem um no outro.


Como é que você vive entre e nos dois?

Eu no Boavista sinto-me muito bem. Estou aqui há muitos anos e isto é a minha família. Eu reparo que no Vitória compreendem muito bem a minha ligação aqui. Eu afirmo, têm que compreender eu acima de tudo, sou Português. 
No Vitória junto a mim, ninguém critica o Boavista e aqui no Bessa fazem o mesmo. 
Têm que compreender, porque ao fim e ao cabo eu sou dos dois.

Entrevista de
 Manuel Pina