Texto principal

ESTÃO ABERTAS AS CAPTAÇÕES PARA OS PLANTEIS DE FORMAÇÃO DE FUTSAL. CONHEÇA OS DIAS DE TREINOS E ESCALÕES, CLICANDO NA FOTO DO LADO DIREITO DESTA PÁGINA.

sexta-feira, 24 de março de 2017

CARLA FARIA - DE REGRESSO À SUA FORMA APÓS CRISE POR PROBLEMAS DE SAÚDE



SALVA PELO ATLETISMO

Carla Faria, uma das melhores atletas do Boavista Futebol Clube na modalidade de atletismo. Atravessou uma fase difícil que lhe poderia vir a ter consequências para toda a sua vida.


Mais que conhecermos as razões, esta entrevista pode servir para um “grito de alerta” para as “facilidades”, como por vezes, encaramos alguns factos a nível de saúde e prova, que muitas das vezes a prática do desporto, nos revela situações, que sem essa prática poderiam passar ao lado.


Carla Faria, no seu jeito simples de ser e com a coragem de saber estar, entrou em pormenores (sem medo) da sua vida intima, para nos explicar este caso, intrigante, que lhe poderia ter destruído o seu futuro (vítima de um fármaco que em França provocou a morte a dezenas de jovens mulheres).


Mais que explicar a travessia de um deserto de resultados, Carla, atravessou um temporal com consequências nefastas para o seu futuro.


Salva pelo atletismo, que lhe ajudou a fechar a “Caixa de pandora”.

Vamos a factos!



Carla, tenho conhecimento que esta época te está a correr ao lado. Quais as razões deste afastamento de resultados?


Eu, comecei a época mesmo mal, chegando a pontos de quase não conseguir correr, com um cansaço enorme e constante.


Desculpa interromper. Mas qual a razão? Abrandamento nos treinos?


Não. Eu continuei a treinar como sempre o fiz, mas sentindo muitas dificuldades, daí começar a pensar que as razões eram de cariz de saúde. Mais tarde, confirmei este palpite, após ter feito as provas de pista coberta, tendo terminado com tempos miseráveis, os meus tempos foram simplesmente miseráveis.

Assim, decidi ir ao médico, que me mandou fazer várias análises e descobrimos o que realmente me causava todos os estes problemas.


Qual era a razão?


Ter iniciado um tratamento para o acne, passando por um medicamento anticonceptivo, que alterou todo o meu ciclo hormonal e vascular.


Não vamos entrar, na tua vida privada, por isso, vamos “dar um salto” sobre o assunto…


Não, (interrompeu-nos) senhor Pina, podemos continuar no tema que acho até importante para esclarecer em futuros casos. Esteja à vontade.


Vamos então saber quais os resultados que as análises apresentaram?


A hemoglobina estava baixa. O colostral estava muito alto e tive que parar com a pílula, que se provou ser a base de todos os desarranjos hormonais e agora sinto-me a voltar ao meu normal.


Em termos de resultados, eles foram assim tão diferentes?


Absolutamente. Em tempos de pista eram horríveis, aliás não podiam ser de outra maneira, pois eu em três meses engordei… oito quilos!


Mas mesmo continuado os treinos?



Sempre treinei, mas o peso aumentava constantemente e mais que o peso eu sentia-me a ficar inchada e a ver o meu corpo a mudar…para pior, mesmo no aspecto de aparência física. Foram tempos horríveis. 


Já que insistes, vamos, então, invadir um pouco a tua privacidade. Como se processou tudo isso?


Tudo começou, ao aparecer-me na face direita, várias “borbulhas” que quase pareciam feridas. Eram horríveis e eu resolvi tratá-las, juntando a isso, o facto de ter um nível de ciclo menstrual, demasiado irregular, o que transtornava a vida desportiva, e durante o mesmo, ter dores horríveis. 
Tudo junto, me levou a consultar o médico, que me aconselhou a iniciar o uso da pílula para “organizar” a minha vida hormonal. As feridas na cara passaram, mas o resto surgiu...


Foi o abrir da Caixa de Pandora”?


Acho que sim. Foi um tempo terrível que passei. Engordei não conseguia correr, inchava e naturalmente a minha moral, como atleta e pessoa. Foi caindo.


Quando paraste com esse tratamento?


Em Janeiro. Depois de ter feito exames clínicos. recuperei e já fiz os nacionais de corta-mato, com os tempos a melhorar, que me fez começar a sentir bem.




Vamos fechar, mas não esquecer, esta fase. A última pergunta (para servir de alerta as jovens interessadas) qual o nome do fármaco que te “envenenou”?


Mas, se vamos encerrar este assunto, quero enaltecer toda a ajuda que o Baltasar Sousa me deu. Como meu treinador, acompanhou todo o processo, entreviu, aconselhou e quando viu aqueles resultados…ajudou a procurar a solução. Não esquecerei.

NR – Para evitar problemas, com marcas, decidimos, não publicar o nome do fármaco, embora a Carla nos tenha identificado o nome.  Pesquisamos na Net e descobrimos, que o fármaco em questão, teve as suas vendas proibidas em França (2013), depois de ter sido provado, que foi o responsável pela a morte (no mínimo) de 27 jovens mulheres, entre os 18 e os 24 anos.

Que resultados obtiveste no regresso?

Nos nacionais oficiais fui décima segunda e nos universitários juniores, fui sexta.


Nessa fase, como te falavam as pessoas?


Todas as pessoas achavam que isto se deveria estar relacionado, com a minha mudança de estilo de vida. A mudança de casa de meus pais para o Porto, a entrada na Faculdade e consequente mudança de hábitos. Os meus amigos, diziam até, que eu tinha entrado na “má vida” de estudante e logo sofria de um stress que me tinha alterado consideravelmente a vida. Nada disso era verdade, mas cheguei a equacionar estar a ser vítima do tal stress.


Vamos entrar na parte desportiva. Como foi o teu regresso?


Como disse foi nos Nacionais de corta-mato, onde corri pelo Boavista e no desporto Universitário. Foi um dia cheio de emoções e dificuldades. Tinha chovido torrencialmente durante a noite e a chuva continuou na manhã da prova. 
A pista estava cheia de “piscinas”, com água a atingir os joelhos, o vento era muito forte e muito frio. Eu equipada com o top, sofri bastante, mas era eu contra o tempo e contra mim.
Vi muita gente a desistir e confesso, que cheguei a pensar o mesmo, mas a luta era contra mim e continuei até final, conseguindo um décimo segundo lugar, na geral.


Quando pensas estar na tua forma?


Estou a sentir-me melhor, a recuperar a minha forma e penso lá para Junho ter tudo resolvido. Tenho que deitar fora estes quatro quilos a mais.


Como corres pelo Universitário?


Eles Jã me conheciam e convidaram-me para representar o Instituto Politécnico do Porto.


Que objectivos para esta época?


Primeiro recuperar totalmente, depois atingir um dos seis primeiros lugares nos campeonatos de pista.


Tu corres em pista com atletas que pertencem a clubes que têm pistas e podem especializar-se nesse sector. Não te sentes um pouco marginalizada, se tivesses as mesmas condições, comparada com elas?


Por um lado, penso que podia conseguir melhores resultados, por outro lado, isso não me incomoda, porque confio totalmente no Baltasar que me acompanha e treina.


Quem vai ficar para trás, no futuro, a Engenheira ou a atleta?


Eu estudo para ser engenheira, mas treino todos os dias para ser campeã de atletismo. Nenhuma irá ficar para trás.


Qual a próxima prova? 


A nove de Abril, participarei nos Nacionais Universitários.


Foi uma travessia no deserto?


Sim. Não fiz os nacionais nem os regionais de pista coberta…não valia a pena, com tempos miseráveis.


Temos a Carla Faria de regresso?


Estou a regressar…


Depois de ter passado pelo inferno…dizemos nós!

Entrevista de 
Manuel Pina