Texto principal

TERMINADA MAIS UMA ÉPOCA DESPORTIVA, DESEJAMOS A TODOS ATLETAS E SEUS FAMILIARES UMAS BOAS E MERECIDAS FÉRIAS, DA NOSSA PARTE CONTINUAREMOS O TRABALHO PREPARANDO A NOVA ÉPOCA DE 2019/2020. BOAS FÉRIAS


domingo, 7 de março de 2010

ANDEBOL (INFANTIS) CRÓNICA DO JOGO


FC PORTO 22 – BOAVISTA FC 25
PANTERAS DOMINAM UMA PARTE E CONTROLAM OUTRA…
DRAGÕES CHEGAM TARDE AO JOGO!

Era um jogo importante para o Boavista e decisivo para o Porto, mas foram os Panteras que o jogaram como se de uma final se tratasse. O Boavista entrou forte no jogo e comandou-o desde o seu primeiro minuto ganhando cedo uma diferença de dois/três golos, até aos sete a quatro. Nessa altura, com dez minutos de jogo, o Porto reagiu e conseguiu o empate a sete golos. No entanto esse esforço de recuperação pareceu desgastar os Dragões e de imediato o Boavista retomou o comando e a diferença.
A equipa portista não parecia com entrega suficiente para contrariar os axadrezados, mas com o aproximar do final do primeiro tempo, os jovens azuis foram aumentando o seu ritmo ameaçando fazer uma segunda parte de maior empenho. Apercebeu-se disso João Carmo e que tentou em jogada táctica matar o jogo no último minuto deste tempo, (ver o 1º momento do jogo).
A segunda parte foi como era aguardado melhor, mais competitiva e agressiva. O Porto tentava e conseguiria recuperar o atraso e o Boavista apostava em controlar o que tinha conseguido no primeiro tempo.
Foi uma segunda parte rica tacticamente com o s treinadores a jogarem com vários sistema de jogo e os miúdos a tornar (neste aspecto) um jogo mais rico que o da primeira volta. O Porto chegou a jogar em homem a homem, apostando no tudo por tudo, com o Boavista a apostar no seus pesos-pesados a sair da pressão em jogadas individuais que contrariavam esse sistema portista.
O Porto conseguiu reduzir e chegou pela segunda vez ao empate (agora a 20 golos) o jogo entrou na fase decisiva. Jogava-se duro, apareciam as exclusões e uma expulsão, demonstrando que o jogo era de homens.
A três minutos do fim deu-se a jogada que decidiu definitivamente o jogo (ver o 2º momento do jogo).
O Boavista vencia justamente um jogo em que apostou desde o início e os dragões ficaram com o sentimento que chegaram tarde ao jogo.
Curiosamente os árbitros foram os mesmos do primeiro jogo! Os árbitros foram os mesmos, mas os homens não! Neste jogo, o árbitro principal mostrou mais calma e sensibilidade deixou jogar enquanto achou normal. Quando as coisas endureceram (sem maldades) ele entreviu com moderação mas com rigor e determinação, actuando bem.
Vê senhor Árbitro como é muito mais bonito assim?
Momentos de jogo
Primeiro momento
O TIRO PELA CULATRA
Faltavam 35 segundos para o intervalo, o Boavista vencia por cinco golos e tinha posse de bola ofensiva. Carmo resolveu interromper o jogo pedindo o time-out para preparar a jogada final e conseguir o sexto golo de vantagem e assim, matar o jogo.
Os seus jogadores perceberam que o momento era fundamental e tanto se preocuparam que logo após o reinício do jogo… perderam a bola!
O jovem portista, arrancou rumo à baliza axadrezada e… marcou!
Em vez de seis golos… o Boavista foi para a cabine com quatro.

Segundo momento
A DEFESA DA TARDE E CONSEQUÊNCIA Faltavam três minutos para o final, o marcador registava vantagem dos Panteras por um golo. O Porto atacava e conseguia posição na cara do Guarda-Redes axadrezado, o empate era o mais esperado, mas o jovem guardião efectuou uma extraordinária defesa salvando a vantagem.
Enquanto os Dragões paravam… sem reagir não acreditando no que aconteceu, o jovem guardião foi buscar a bola nas redes exteriores e lançou o ataque rápido, que viria a dar vantagem de dois golos…

aí sim, o jogo ficou ganho!