Texto principal

TERMINADA MAIS UMA ÉPOCA DESPORTIVA, DESEJAMOS A TODOS ATLETAS E SEUS FAMILIARES UMAS BOAS E MERECIDAS FÉRIAS, DA NOSSA PARTE CONTINUAREMOS O TRABALHO PREPARANDO A NOVA ÉPOCA DE 2019/2020. BOAS FÉRIAS


quinta-feira, 2 de abril de 2009

TERESA AGUIAR - A JUVENTUDE DE CORAÇÃO ABERTO

Teresa Aguiar jovem voleibolista há dois anos no Boavista é a demonstração da evolução na adolescência. Por um lado a timidez e medo de dizero “alguma asneira” por outro a libertação dos sentimentos que interiormente ainda procuram lugar para estacionamento.

O Boavista é o teu primeiro clube?
Sim comecei aqui desde as minis.
Gostas de estar aqui?
Gosto é um grupo muito bonito e um ambiente muito bom.
No campeonato achas que o lugar é correcto para o vosso valor?
Não. Podíamos fazer mais. Não somos nada regulares ou pelo contrário até o somos …só que perdemos sempre! (ai a juventude é tão honesta). Os treinos são bons mas nos jogos bloqueamos.
Porquê?
Não sei, não tem explicação! (rindo-se) Nem a Sara consegue explicar.
E para ano é para melhorar?
É porque para o ano poucas vão subir para juvenis e vamos aprender mais.
Onde estudas?
No nono ano da Francisco Torrinha.
Os estudos como estão?
Muito bem! (acreditamos… que sim)
Qual o teu objectivo desportivo?
Chegar até seniores e levar o voleibol o mais longe possível.
Sei que há clubes atrás de ti? (provocamos)
Atrás de mim não… (rindo-se nervosa) mas se calhar tenho que mudar de clube (a juventude a trair).
Porquê? (entramos no jogo)
Depende da treinadora (nitidamente à rasca) tenho ambição de mais e talvez conseguisse jogar num clube com mais ambições… (não sei se as colegas não a vão matar)
Qual o teu ponto forte?
O serviço e o ataque!
Não gostas de defender…
Já gosto mais, já me aperfeiçoei. Ainda tenho que aperfeiçoar mais umas coisas (justificando … se não a treinadora…) mas o que eu gosto de atacar. Sou boa no serviço… (mai...nada!)
Como é o grupo?
Muito bom, somos muito unidas e apesar dos resultados estamos sempre bem.
Então se é bom, para o ano continuas…
Não sei! Depende, depende!
Querem apostar que continua?
Só falta acrescentar que para falar com esta menina nunca podemos estar parados... porque ela não pára nunca!
São os quinze "aninhos" de uma panterinha a mexer!